Como tratar gatinhos órfãos

Se encontrar uma ninhada na rua, espere sempre, pelo menos, 3 horas no local, para ver se a mãe aparece. A gata mãe pode ter ido apenas procurar comida. Entretanto, se os bebés estiverem com frio ou fome, socorra-os à vez. A ideia é tentar resgatar também a mãe. Se conseguir capturar a mãe está a aumentar a probabilidade de sobrevivência da ninhada e está a socorrer uma gata que vai precisar da sua ajuda e de ser esterilizada. Se a mãe não aparecer fale com os moradores. Se for caso disso, recorra a uma armadilha adequada, solicitando ajuda ao seu Médico Veterinário ou a uma Associação de proteção animal.

Uma mãe adotiva

A causa mais frequente para termos em mãos gatinhos órfãos é o abandono de ninhadas indesejáveis por parte do Homem. Quando a mãe natural não está presente, podemos tentar que outra gata amamente os gatinhos. Neste caso, dependendo do número de gatos, é muito provável que necessite de suplementar os gatinhos, mas os restantes cuidados de higiene e de temperatura podem ser garantidos pela mãe adotiva. A melhor maneira de introduzir um gatinho, é primeiro esfregar um pano fofinho na mãe e na ninhada e depois nos órfãos, para que estes fiquem com um cheiro familiar à mãe. Coloque os gatinhos perto da gata, mas não diretamente no ninho.

Os bebés devem estar com uma temperatura normal e sem fome. Espere que a mãe adotiva os venha buscar. Se isso não acontecer coloque-os no ninho ao pé dos outros gatinhos, mas observe atentamente as reações da gata, e não force.

Amamentar a biberão

Se a possibilidade de serem amamentados por outra gata não existe, resta-nos lançar mãos à obra. Tenha noção que lhe espera uma tarefa difícil e exigente, por vezes frustrante, mas também com muitos finais felizes e muito recompensadora.

Os gatinhos resgatados habitualmente estão com frio e/ou desidratados (boca e língua secas, membranas mucosas pálidas, prega de pele persistente). Se encontrou gatinhos órfãos com poucos dias de vida, a primeira coisa que deve fazer é tentar mantê-los quentes, enquanto contacta um veterinário. Enrole os gatinhos em cobertores, de modo a realizar um aquecimento gradual e coloque-os dentro de uma caixa ou cesto, onde possam estar bem acondicionados. Nunca alimente um gatinho com frio, porque facilmente pode provocar um falso trajeto (leite nos pulmões) ou outro tipo de problema relacionado com a digestão.

Para contrariar a hipoglicemia, enquanto não recuperam a temperatura, administre uma solução com açúcar. Dissolva um pacote de açúcar em meio copo de água e administre cerca de 2 ml por hora até se dirigir a um médico, o que deve ser o mais rápido possível. Tal como um bebé, um gatinho não pode ser deixado sozinho. Quando têm fome começam a ficar um pouco mais agitados, mas se não encontrarem comida, depressa se cansam e voltam a adormecer. Isto não é recomendável que aconteça, pois os gatinhos tem que ser alimentados sempre que têm fome.

Atenção!

Toda a informação que pode, e deve, ler não substitui uma consulta com o Médico Veterinário, que após observação dos gatinhos avaliará o seu estado de saúde e lhe irá explicar detalhadamente como agir. Se a ninhada foi resgatada, esta consulta deve ser de imediato, de preferência antes de os levar para casa.

Que tipo de leite usar e com que frequência?

Administrar o leite adequado na frequência certa, garantindo após cada mamada as funções de excreção, num ambiente aquecido e calmo são a chave para que tudo corra bem.Utilize especificamente leite para gatos, nunca administre leite de vaca. O Médico Veterinário irá recomendar um leite com uma osmolaridade adequada, que é quase sempre conseguida só com leites em pó de preparação extemporânea. O estômago dos gatinhos é muito pequeno, portanto é essencial que sejam alimentados com muita frequência. À medida que eles crescem, as refeições aumentam em quantidade e podem tornar-se menos frequentes

Preparar o leite

O leite deve ser preparado com água morna que tenha sido fervida. O biberão, que também deve ser específico para gatos, tem que ser lavado e fervido após cada utilização. Os gatinhos órfãos são particularmente sensíveis a infeções, pois as suas defesas estão diminuídas. Nunca guarde restos de leite, este tipo de leite, por ser isento de conservantes, é muito perecível e o seu mau uso pode ser responsável por graves gastroenterites. Administre o leite à temperatura de sensivelmente 36ºC. Colocando uma gota na face interna do pulso, deve sentir o leite à temperatura corporal. A quantidade a ser administrada varia com as indicações de cada marca. Pode acontecer que o gatinho beba mais numa mamada e menos outra, mas o balanço diário deve ser de acordo com o fabricante, no sentido de nunca menos do recomendado. Se o gatinho não está a ingerir a quantidade que deveria, contacte o Médico Veterinário. Se, pelo contrário, o gatinho mama mais do que seria espectável e está a aumentar de peso, não se preocupe. O biberão deve ser adequado para gatinhos, a abertura da tetina é decisiva. Se quando vira o biberão ao contrário o leite cai da tetina, então é porque a abertura é demasiado grande e corre o risco do gatinho se engasgar. Se, pelo contrário, necessita de apertar o biberão com alguma força para que o leite saia, então a abertura é pequena e desencorajara o gatinho de mamar. A tetina certa deve deixar que o leite saia após apertar ligeiramente o biberão. Porque com o uso, as tetinas vão alargando, deve fazer este teste com frequência. Os gatinhos têm tendência a ser fixativos na tetina, por isso quando a trocar esteja atento, pois é natural que no início não queiram mamar.A posição do gatinho também é muito importante. O gato deve estar numa posição o mais parecida possível com a posição em que mama da mãe e nunca de barriga para baixo. O biberão deve fazer aproximadamente um ângulo de 45º com a boca.

Fazer as necessidades

A alimentação é determinante, mas não é o único fator a ter em conta neste processo. Os gatinhos bebés só fazem as necessidades quando são estimulados pela fricção da língua da mãe. Para simular este ato, use uma compressa embebida em água morna e massaje a barriga e a região perianal do gatinho (o Médico Veterinário pode explicar-lhe como o fazer). Os gatinhos gostam destas massagens e, por vezes, ronronam. Deve realizar este procedimento antes (os bebés mamam melhor com a “barriga vazia”) e após cada mamada. Os bebés urinam quase sempre e cerca de metade das vezes defecam. Se estiver a tratar de mais de um gatinho, para além do peso, também deve anotar a quantidade de leite ingerido e as necessidades que fez. Este é também um momento em que deve falar carinhosamente com o gatinho, que assim se vai socializando e aprendendo a reconhecer as vozes humanas como amigáveis

Reconhecer sinais de doença

Se está a amamentar gatinhos tenha sempre à mão o contacto de urgência do Médico Veterinário. Sempre que umdos gatinhos apresente estes sinais deve procurar ajuda médica urgente:

  • O gatinho está frio e/ou com pouca tonicidade (está mole);
  • O gatinho não consegue mamar;
  • As fezes são muito duras ou, pelo contrário, são líquidas (o normal é terem uma consistência tipo “pasta de dentes”);
  • A barriga apresenta-se muito dura ou, pelo contrário, parece vazia;
  • O gatinho chora frequentemente e/ou está irrequieto;
  • Os olhos não abriram às 2 semanas e/ou apresentam “ramelas”;
  • O gatinho apresenta tremores ou mesmo convulsões.

Marcação de Consulta

Escolha o local mais perto de si*
Restelo/LisboaExpo/Moscavide